Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011

De vez em quando

- "Olhe, eu estive a ouvir a conversa e acho que é excepcional, deve ser um excelente aluno. A forma como defendeu os seus argumentos foi brilhante... Mostra que tem princípios, os meus parabéns!"*

 

Uma das coisas que cedo aprendi foi que não é bom nós nos vitimizarmos. Nunca gostei de o fazer nem gosto que outros o façam, mas existem momentos em que não podemos deixar de olhar para as coisas como elas são, e expor sem medos que estamos a ser tratados sem o valor que merecemos. Durante o meu crescimento senti muito isso, apesar de raramente o demonstrar. Senti que tinha capacidades que não eram valorizadas nem reconhecidas, e que merecia ser tratado de forma diferente.

 

 

Sentia que tinha uma sensibilidade e uma maturidade para discutir certos assuntos algo diferente da maioria dos meus colegas. Senti que me interessava por coisas para as quais não me 'exigiam' que o fizesse. No entanto, independentemente de me exigirem ou não, eu apenas pedia que reconhecessem o meu interesse, o que nem sempre aconteceu.

 

Hoje já ultrapassei mais a fase de me comparar com outros e tento apenas tornar-me uma pessoa melhor e mais consciente. Isso implica ser crítico com o tudo o que me rodeia, característica que já a minha professora primária detectara em mim. Não sei se sou mais ou menos crítico e consciente do que aqueles que me rodeiam, mas sei que sou diferente deles.

 

É por isso que sabe muito bem ouvir coisas destas de vez em quando, ainda que seja mesmo muito de vez em quando. Saber que somos capazes de cativar o interesse e a atenção de uma pessoa que não nos conhece de lado nenhum para no fim recebermos um 'parabéns' é muito compensador e faz-nos esquecer todas as incompreensões por que passamos.  Faz-nos concluir, por exemplo, que vale a pena continuar a questionar o que oiço e não simplesmente aceitá-lo só porque é a professora que o diz, ainda que isso me valha olhares de descrédito da minha colega do lado.

 

* adaptado a partir da minha memória

música: The Fray - Never Say Never
sinto-me:
tags: , ,

publicado por david. às 18:55
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 22 de Janeiro de 2011

Trabalho de Psicologia / Auto-Biografia

Fazer a história da própria vida, registando aquilo que nos marcou, influenciou, e nos levou a ser o que hoje somos é sempre um exercício muito ingrato, ainda mais quando é feito na primeira pessoa. Aquilo que tenho na memória não vai além de acontecimentos mais ou menos recentes, ou momentos marcantes do passado. Mas quando me tento recordar de algo anterior aos meus 7 anos idade, por exemplo, já é difícil entender o que é realmente uma memória sensorial ou uma associação posterior a um elemento exterior, como uma fotografia.

 

De qualquer forma, vou tentar fazer uma espécie de auto-biografia, recorrendo a informações que vão para além da minha memória pessoal.

Nasci na manhã do dia 4 de Janeiro de 1993, no seio de uma família portuguesa, conservadora, de classe média-baixa. Penso que a minha mãe preferiria ter filhos mais tarde, mas de qualquer maneira tudo me leva a crer que o meu nascimento foi planeado e desejado. No meio intra-uterino não disponho de qualquer informação que possa ter condicionado o meu desenvolvimento. Apenas sei que a minha mãe sempre foi uma grávida muito activa, nunca se tendo coibido de fazer o que quer que fosse durante a gravidez. O meu pai era fumador na época.

Fui o primeiro e único filho dos meus pais, o primeiro neto dos meus avôs (tanto paternos como maternos), e também o primeiro bisneto dos meus bisavós (na altura 3 deles ainda vivos) .É de crer que tenha sido bem recebido e bastante bem acolhido. Calculo, a partir de fotografias e filmes, que toda a família tinha demonstrado gestos de amor e carinho por mim.

 

Penso ter tido um desenvolvimento normal, tendo aprendido a falar e a andar na altura normal. No entanto, devido ao facto da minha mãe ter uma loja por conta própria, nunca teve necessidade de me colocar num infantário ou jardim-de-infância. Até aos 6 anos a minha sociabilidade limitou-se ao núcleo familiar, em especial com a mãe, com quem passava os dias. Pela positiva, existe a destacar a estimulação que recebi, fazendo muitos jogos e brincadeiras próprias da idade (ou até de idade mais avançada). Penso que isso foi positivo porque quando entrei para a escola primária aos 6 anos já sabia escrever as letras, os números e muitas palavras. Recordo-me que adorava cadernos e blocos de papel. Gostava muito de escrever, simular a minha assinatura e preenchimento de folhas, assim como desenhar.

 

Apesar disso, a minha convivência com os outros ficou limitada. Era uma criança reservada, calma, talvez até introvertida e tímida. Quando na loja da minha mãe entrava alguma criança da minha idade refugiava-me noutro local. Sei que nos primeiros anos de infância brincava com alguns primos meus, mas todos eles bastante mais velhos. A pessoa com quem brincava mais era a minha tia materna, apenas  5 anos mais velha. As minhas brincadeiras preferidas eram legos, puzzles e construir cidades em miniatura. Estas cidades eram bastante complexas, chegando a ter canalizações de água e iluminações no natal, e com vários habitantes, cada um deles com uma história de vida associada. Além disso, foi também nestas cidades que surgiu um caricato gosto meu, fazer miniaturas de placas sinaléticas e sinais de trânsito. Penso que isto revela o meu perfeccionismo e a complexidade da minha personalidade, características que adquiri desde cedo.

 

(...)

 

O primeiro dia de escola deve ter sido provavelmente o meu primeiro confronto com a ansiedade, a par dos dias em que levava vacinas. Ao contrário do que se pode presumir, a educação dada pela minha mãe não foi muito protegida, tendo desde cedo adquirido regras (tais como não fazer birras em público, chegando a repudiar as crianças que o faziam). Apesar disso, até correu bem segundo me lembro, e o receio deu lugar à expectativa.

Não me recordo dos primeiros dias de escola, mas sei que criei afinidades com colegas com alguma facilidade, surpreendentemente. No entanto, os meus gostos nunca passaram por jogar futebol nos intervalos, e por isso passava alguns tempos mortos e solitários nos recreios. Preferia fazer jogos ou ler jornais, por exemplo. Era bastante reconhecido e admirado pelos meus colegas porque desde cedo me destaquei como bom e melhor aluno, tendo terminado o 4º ano com um prémio da minha escola primária destinado ao melhor aluno e aluna de cada ano. A minha disciplina preferida era o estudo do meio, seguindo-se a matemática e por fim a língua portuguesa. Tinha grandes capacidades para o desenho, ao contrário do que sentia na actividade desportiva.

 

Foi também nesta altura, aproximadamente, que se deu um acontecimento que penso ter-me marcado e influenciado. Como referi anteriormente, sempre gostei de ler o jornal local que recebia em casa e havia na escola, tendo até chegado a criar o meu próprio jornal, composto por fragmentos transcritos de noticias e fotografias recortadas, que depois colava em folhas em branco.

Devido ao facto do meu pai ser electricista, numa determinada altura estava a fazer uns trabalhos na redacção/estúdio do jornal e rádio locais, que funcionavam no mesmo local. Por qualquer razão, eu acompanhei-o num desses dias e fiquei fascinado ao encontrar-me no sitio onde era feito o jornal que eu lia e a rádio que ouvia. Recordo-me de corrigir erros ortográficos de uma edição do jornal antes de ser fechada, tarefa que os jornalistas me entregaram por simpatia. A partir daí desenvolveu-se uma certa «paixão» pelo jornalismo, e a ideia de criar o meu próprio jornal nunca mais saiu do meu pensamento.

 

Outra das marcas do meu crescimento foi também uma atracção pelo negócio. Começou por volta dos 6 anos, onde elaborava uma revista publicitária periódica onde desenhava e promovia alguns produtos da loja da minha mãe, que depois divulgava junto da minha avó paterna, encarregando-me depois de todo o processo de pagamento e entrega. Já por volta dos 9 anos aprendi na escola a fazer cestos em papel, imitando verga. Nos meus tempos livres tratava de fabricar mais cestos que depois comercializava junto dos familiares.

Aos 10 anos terminei o primeiro ciclo e segui com todos os meus colegas para a escola preparatória. Foi uma adaptação difícil, pois nesta altura vi-me pela primeira vez com falta de amigos e senti-me bastante fragilizado. Passei por momentos menos bons, mas o tempo foi passando e quando cheguei ao 7º ano a minha vida começou a orientar-se. Conheci alguns colegas novos, e criei algumas amizades, especialmente com raparigas. Dessa altura, recordo-me perfeitamente de considerar a grande maioria dos meus colegas rapazes totalmente imaturos e infantis. Foi também nesta idade que descobri em mim sentimentos novos como o amor, o gosto pela sociabilidade, o desejo de desprender-me totalmente da infância, e a necessidade de autonomia face aos meus pais (mãe em especial), ou seja, senti-me a crescer e a pensar de forma independente e adulta. Interessei-me por política, defini gostos musicais, e comecei a planear o futuro com autonomia.

 

Durante este período mantive-me bom aluno, apesar de ter descoberto uma grande fragilidade no inglês e francês, e ter perdido a facilidade que sentia anteriormente na matemática. Imaginava-me arquitecto, e pretendia seguir artes visuais no secundário.

Outro dos grandes momentos marcantes do meu crescimento deu-se nesta época. Como ficou claro, a ideia de fazer um jornal meu nunca me largou, tanto assim foi que não perdi a primeira oportunidade. A poucos dias de completar 12 anos, em Dezembro, recebi o muito ansiado computador. A 26 de Janeiro saia a primeira edição do «Notícias do Concelho», tendo como manchete a entrevista ao presidente da junta de freguesia (por sinal meu primo), as restantes notícias eram feitas a partir dos outros jornais locais. O jornal era impresso numa gráfica em folhas A4 e depois distribuídas aos meus familiares, tendo uma periodicidade de um mês aproximadamente. Por algum conjunto de circunstâncias, e apesar de ter sofrido inúmeros contratempos, o jornal manteve-se, e com o tempo passei eu próprio a deslocar-me aos locais de reportagem e a elaborar as minhas próprias notícias.

 

Passaram-se longos meses, e a popularidade do jornal não parava de crescer. Ao fim de dois anos já havia 50 assinantes fixos, e eu já me relacionava com há vontade junto dos outros jornalistas e políticos locais, tendo feito várias entrevistas com presidentes de junta, da câmara municipal e outras entidades. Devido a esse facto, e derivado de estar inserido no meio jornalístico, não consegui evitar (apesar de bem ter tentado) a difusão do meu jornal junto dos restantes órgãos de comunicação. Foi assim que eu próprio fui notícia junto de jornais locais, rádios locais, jornais nacionais, até culminar nas televisões. Não me senti bem com tanta exposição mediática, até porque nunca o desejei, e recusei alguns outros convites televisivos, tendo apenas aceite dois deles pelo facto de terem sido oportunidades únicas que registarei para sempre. Como nota final, resta acrescentar que esta foi a minha mais recente forma de fazer negócios, tendo tido ainda outra experiencia do tipo uns anos antes quando comercializava gomas e doces que comprava junto à escola, e que vendia depois aos meus familiares, em especial às avós.

O meu jornal findou um ano depois, aproximadamente, não por falta de vontade, mas devido ao enorme esforço que já exigia da minha parte. A única influência em mim que esta fase da minha vida pode ter tido, foi a de me fazer trocar os planos da arquitectura pelo jornalismo. Assim, no 10º ano e após ter concluído os exames nacionais como bons resultados, prossegui estudos na área de línguas e humanidades.

 

(...)

 

Continuei tendo boas notas e recebi diplomas de mérito pelo 10 e 11º anos. Com fases de maior e menor frustração, o tempo foi passando, e progressivamente os planos para o futuro foram ocupando a minha cabeça, servindo também como uma «fuga adiada» do presente. Comecei a procurar faculdades, calcular médias, poupar dinheiro, projectar o que a vida me reserva... Ao mesmo tempo, e não deixando de considerar que foram anos algo «desperdiçados», continuei a ter uma vida social minimamente normal, e fui-me tornando cada vez mais adulto. Paralelamente, a minha mente nunca deixa de pensar e faço permanentemente uma avaliação de tudo. De mim, dos outros, da vida. Descobri novos gostos, larguei alguns, e reforcei outros. Tenho tentado construir uma conduta moral e descodificar o sentido da vida. A política, a religião, o existencialismo, e o relativismo são temas que me ocupam muitas vezes o espírito, em algumas dessas vezes de forma intensa e contraditórios entre si.

 

Hoje acabei de completar 18 anos, estou prestes a iniciar uma nova fase da minha vida, e em linguagem menos científica, espera-se de mim que tenha completado o meu crescimento, que a partir de agora esteja à altura de assumir mais responsabilidades, em particular em todos os actos e posições que venha a tomar. Atingi a maioridade legal, mas no entanto sinto-me ainda bastante imaturo no meu desenvolvimento intelectual, entre outros. Continuo diariamente a colocar questões a mim mesmo, a questionar tudo o que me rodeia e a olhar para a vida com a sensação que ainda não sei nada do mundo. No entanto, também tenho consciência do meu valor e, agora, posso olhar para trás e orgulhar-me de tudo aquilo que consegui até hoje, de tudo o que, de bom ou de mau, me levou a ser aquilo que sou neste momento.

 

(o essencial...

6 de Janeiro de 2011)

 


publicado por david. às 23:15
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 14 de Junho de 2010

Eu, hoje

 

 

Devia ter uns 6 ou 7 anos e estava pela primeira vez a mexer na neve e pela primeira vez, e única que me recorde, na Serra da Estrela. Para além das mudanças lógicas e naturais do crescimento, apetece-me utilizar a minha memória saudosista para perceber o que mais mudou em mim. Hoje, 10 ou 11 anos depois, mantenho um olhar crítico acerca de tudo o que me rodeia, e continuo a detestar ser tratado como alguém imaturo e incapaz de pensar. Mas existem mudanças significativas, positivas e negativas.

Vamos começar pelas negativas, como eu gosto, o melhor vem no fim porque é o que nos fica no pensamento. Se na altura eu confiáva à minha mãe a escolha do vestuário, hoje não saio de casa sem perder meia hora a arranjar-me. Essa deve ter sido a pior mudança. Não fui capaz de escapar à tendência geral de valorizar muito a imagem. No entanto, como me aconselhou a professora L., continuo a valorizar muito mais o ser do que o parecer, e disso orgulho-me. Quanto me tiraram a fotografia, devia estar a sentir-me mal por estar de gorro, hoje gosto.

Na altura, tinha muitos sonhos e esperanças. Mas, se por um lado hoje tenho menos, por outro digo os que tenho em voz alta sem receios nem vergonhas. A perda da inibição deve ter sido a melhor mudança. Tinha vergonha de abraçar, de dizer a alguém que gostava dela, de revelar algum aspecto íntimo de mim, de pedir desculpa, de dizer o que pensava, de me destacar e de me revoltar. Hoje estou diferente, mas ainda assim mentia se dissesse que me tornei uma pessoa fácil de descobrir...

E que mais? Continuo a não gostar de pôr títulos nas coisas. Continuo a ter braços muito magros. Continuo a sentir as pernas fraquejar quando me sinto ameaçado. Continuo a não gostar de mostrar os dentes quando rio. Continuo a gostar de ouvir as conversas dos outros. Continuo a ser exigente e perfecionista. Passei a gostar do amanhecer. Passei a fazer coisas más. Passei a ter confiança em mim. Deixei de me esconder. Deixei de ter medo da vida.

 

Sabe a pouco, não é?

 

 

 

música: Snow patrol - Set Fire to the Third Bar
sinto-me:
tags: ,

publicado por david. às 23:02
link | comentar | favorito
Domingo, 21 de Março de 2010

Os Meus Ficheiros Recebidos

Venho a este blog muitas vezes. Leio o que escrevo como se fosse um leitor, tal como faço sempre que acabo de postar, e tenho vontade de escrever mais, mas a minha mente não está recheada de coisas interessantes para dizer, como talvés esteja a de outros autores de blogues.

No entanto, ligo o meu velho computador (não este portátil que parece uma pasta), e quando chego à pasta 'Os Meus Ficheiros Recebidos' encho-me logo de uma nostalgia que me leva a querer arranjar algo para dizer aqui. A culpa tanto pode vir de coisas inesperadas como das banais, tudo o que para lá está guarda consigo uma recordação que desperta imediatamente em mim sentimentos estranhos.

Lá há muitas fotografias. Há às da A. (que até mereceram uma pasta propria), que ela me mandava com esperança de me arrancar um elogio. No fundo, acho que só me mandava porque sabia que ela era a única pessoa que conseguia fazer com que eu a elogiasse daquela maneira. Também existem algumas fotografias da C, de professoras (aquelas que nós conseguíamos descobrir perdidas na internet e que tanto gozo nos davam), e de momentos dispersos no tempo que hoje me fazem olhar para trás e perceber como estou diferente.

Depois também lá estão documentos vários. Trabalhos da escola, textos para o jornal, músicas recebidas, prints que eu pedia à B. para me mandar (gostava de saber como é que os outros me estavam a ver do outro lado), e também ficheiros de que fazia download. Encontro lá pastas do WinRar que eu não sabia extrair, e que ficaram para sempre fechadas.

Para terminar, e porque a tentação de não publicar este texto e confiná-lo aos rascunhos se está a tornar grande, aquela pasta guarda um periodo da minha vida, mais do que simples ficheiros. Na altura não sei como me imaginava dali a três anos, tinha medo de sonhar e medo de crescer. Hoje, felizmente, não tenho, e espero que daqui a três anos também possa estar a recordar e partilhar aqui convosco aquilo que hoje sinto na pele.

 

sinto-me:
música: Depeche Mode - Precious
tags:

publicado por david. às 17:54
link | comentar | favorito

.contra


. perfil

. amigo ou colega?

. 27 seguidores

.pesquisar

 

.posts

. De vez em quando

. Trabalho de Psicologia / ...

. Eu, hoje

. Os Meus Ficheiros Recebid...

.já passou

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.links

SAPO Blogs