Sábado, 29 de Janeiro de 2011

Tempo

Na manhã de terça-feira o meu telemóvel alertou-me para um notificação invulgar. Não era o despertador, nem uma mensagem, nem uma chamada. Era um lembrete e dizia '25 de janeiro de 2010 - aula de espanhol cervantes'. Sem hesitações, percebi do que se tratava.

 

Há um ano atrás, algures numa (das muitas) pouco entusiasmante aula de espanhol (aquela em particular dedicada ao estudo do Cervantes), pus-me a pensar no que estaria a fazer exacatamente um ano depois. Estaria numa aula um pouco mais estimulante? Resolvi brincar com o tempo e pus um lembrete no telemóvel para o ano seguinte.

 

Se há coisa em que tenho pensado ultimamente é no tempo. Penso no hoje, no ontem, no amanhã. A imprevisibilidade do futuro divide-me entre o receio e o entusiasmo. Ao contrário, a reflexão do passado leva-me sempre a comparações, a julgar e a avaliar o que fiz e o que poderia ter feito. Gosto de pensar no que sei hoje que não sabia ontem, em como esse desconhecimento me pode ter levado a tomar esta ou aquela atitude, algumas vezes de forma inútil, outras de forma proveitosa, e noutras ainda de forma simplesmente insignificante.

 

É agora engraçado perceber como pequenas atitudes ou acontecimentos podem condicionar toda a nossa vida, e fazem-no sem que demos por isso.  Todos os dias me lamento dos meus dias serem sempre a mesma coisa. Mas, se são, podiam não ser, e sei que algum dia chegará aquele em que não será. A cada momento estamos vulneráveis a que qualquer coisa entre pela nossa vida adentro, que seja uma pessoa, uma doença, uma ideia, qualquer coisa... A singularidade de cada momento é de certa forma fascinante.

 

Hoje gosto de recordar certos momentos em que me estavam a acontecer coisas sem saber. Quer sejam importantes (como no dia em que visitei uma redacção de um jornal e apaixonei-me pelo jornalismo a partir daí) ou nem tanto (como naquelas vezes em que acompanhei o meu pai a casa de uma cliente que mais tarde veio a estar envolvida num tiroteio que resultou na morte do filho). Hoje acho piada a estas coisas, talvez amanhã nem por isso...

 

 

música: David Fonseca - Adeus, Não Afastes os Teus Olhos dos Meus
sinto-me:
tags:

publicado por david. às 23:42
link | favorito
De Jota a 21 de Fevereiro de 2011 às 17:45
Oi, tudo fixe?
Tive a dar aqui umas leituras no teu blog e está muito fixe.
Não sei se percebi bem mas estás no secundário, certo? Época de muito trabalho, força nisso.

Vou passar a seguir o blog.
Fica bem.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.contra


. perfil

. amigo ou colega?

. 27 seguidores

.pesquisar

 

.posts

. De vez em quando

. Tempo

. Coisas boas

. Trabalho de Psicologia / ...

.já passou

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.links

SAPO Blogs