Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2009

Natal em todo o lado?

 

22:19h. Provavelmente, mais de metade dos portugueses está neste momento à mesa, em família, a saborear a refeição preparada cuidadosamente durante a tarde. Os telefonemas e as mensagens já estão todas enviadas. Conversa-se, e a televisão está ligada num canal onde passa um filme a que poucos dão atenção. Recordam-se momentos, os mais novos esperam nervosamente pela meia-noite (os que esperam), e os mas velhos meditam sobre a quantidade de natais a que ainda assistirão. Nas famílias melhores partilham-se experiencias e aproveita-se para relembrar o amor que as ligam. Nas piores, faz-se o possível para evitar problemas, pelo menos nesta noite.

A minha ingenuidade leva-me a acreditar que até o marido alcoólico tenta hoje concentrar na família a sua atenção, e que o toxicodependente tenta reservar um pouco da sua noite para pensar no futuro. E os ladrões, roubarão hoje? E os doentes, será que a sua dor aliviará? E astronautas? E as crianças que são escravizadas na Índia, será que hoje trabalharam menos? E os maquinistas dos comboios, fechados numa cabine no meio do nada? E os pescadores, no meio do mar, estarão unicamente concentrados no pescado? E qual será o tipo de clientes que um taxista apanhará à meia-noite de hoje?

Sempre me surgiram estas dúvidas. Gostava de ser omnipresente, e observar sempre tudo o que me apetecesse, assim como oiço sempre qualquer música que me venha à cabeça quando estou no Youtube. Apetecia-me estar agora no Cabo Espichel, e saber o que estará o faroleiro a fazer. E nas estações meteorológicas, haverá alguém a estudar os dados climatéricos para que amanhã possamos ver as previsões na televisão? E depois seguir rapidamente para outro sitio qualquer. Estar em todo o lado, era a prenda que mais desejava, se calhar por ser impossível...

Mas será que esta magia natalícia que eu sinto está presente em todo o lado? Sei que não. E não são só os sem-abrigo que não a sentem, como por vezes esta sociedade de olhos fechados quer fazer passar. Sei que haverá permanentemente alguém a sofrer, a chorar, e a nascer e a matar. Se calhar mesmo ao nosso lado. E se calhar até são algumas dessas coisas que uma parte de nós está a fazer, sem que demos por isso. Este estado de espírito que sinto e que sentem aqueles que estão à minha volta é apenas um sentimento. Um sentimento tal como outros, que por mais que gostasse, não é universal.

Sinto-me bem por poder senti-lo, e sinto-me mal por haver quem não o possa sentir.

Feliz natal!

sinto-me:
música: David Fonseca - Start Over Again

publicado por david. às 22:18
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.contra


. perfil

. amigo ou colega?

. 27 seguidores

.pesquisar

 

.posts

. De vez em quando

. Tempo

. Coisas boas

. Trabalho de Psicologia / ...

.já passou

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.links

SAPO Blogs